Caminhada une jornada de Agroecologia e Vigília Lula Livre em Curitiba 

Luis Lomba, do Brasil de Fato

Uma caminhada uniu a 17ª Jornada de Agroecologia à Vigília Lula Livre, na tarde dessa sexta-feira (8) em Curitiba. Seis mil pessoas percorreram em duas horas nove quilômetros das ruas da capital paranaense. O fim da Marcha ocorreu na Praça Olga Benário, local assim intitulado pelos manifestantes que se concentram diariamente a 100 metros da sede da Polícia Federal, onde Lula está preso desde 7 de abril. Um ato político com representantes de 30 países antecedeu o tradicional boa noite a Lula, que dessa vez aconteceu em cinco idiomas além do Português – Inglês, Francês, Italiano, Espanhol, Árabe e Hindu.

O ato político teve a participação deLeonardo Boff, que tem visitado a Vigília com frequência e que também abriu a Jornada de Agroecologia, na quarta-feira (6), no Teatro Guaíra. Antes da saudação a Lula, ele falou: “causa admiração ao Brasil e ao mundo a fidelidade desse povo que não abandona seu líder, prisioneiro político”. 

Boff afirmou que Lula é o único que pode tirar o Brasil dessa crise: “Só ele pode colocar o País novamente na democracia, na inclusão a partir dos pobres, e fazer que esse Brasil volte a ser uma nação grande, generosa, fraterna, e não carregada de ódio e excludente como está sendo agora.”

Para o religioso, a resistência da Vigília e a Agroecologia são duas grandes forças que se encontraram nesta sexta-feira. “É a força daqueles que estão no campo e daqueles que de várias partes do País vêm aqui mostrar apoio e dizer: não desistiremos, queremos Lula livre”, afirmou. 

Foto: Joka Madruga

O senador Roberto Requião também participou do ato na praça Olga Benário. “É importante que o Lula e o Brasil saibam que existe no coração de nosso povo, e de outros povos que se reúnem nessa noite aqui, um sentimento forte de fraternidade. A esquerda está reunida aqui e a esquerda significa o amor e a fraternidade, enquanto a direita é o egoísmo e o individualismo”, discursou. 

Requião concluiu citando o poeta Thiago de Mello: “Faz escuro, mas nós cantamos, porque o amanhã vai chegar… e o Lula vai sair dessa prisão e conosco vai lutar pela recuperação do Brasil e dos direitos tirados dos trabalhadores e pelo restabelecimento da soberania nacional.”

Foto: Joka Madruga
Foto: Joka Madruga