“Cozinha é o coração da Agroecologia”

Por Julio Carignano
Do Porém.net

Morador do acampamento Nelson Mandela, município de Lindoeste, Imoacir Angheben, 59, é uma figura especial para a militância dos movimentos sociais de luta pela terra no Paraná. Seo Imoacir, como é conhecido, é um dos responsáveis pela alimentação na 16ª Jornada de Agroecologia, no município da Lapa. A cozinha que coordena é uma das mais requisitadas entre os espaços coletivos montados pelas delegações presentes no evento. Em média ele serve 520 refeições diárias, entre café da manhã, almoço e janta. No cardápio o feijão, arroz, carne, macarrão, mandioca, farofa, batata doce, polenta e salada de repolho.

Em seu quarto evento consecutivo, Imoacir afirma que a cozinha das jornadas é bem mais que um simples local de alimentação, mas constitui-se em espaço de formação, confraternização e partilha entre a militância. “Esse é o coração da Jornada da Agroecologia, sem isso não tem outras atividades. Esse espaço é formativo. Aqui você lida com crianças, jovens, donas de casa, agricultores, expositores, dirigentes, convidados, imprensa. Toda a cultura da agroecologia é vivida neste momento”.

Seu Imoacir teve seu primeiro contato com Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em 2003 quando ainda era servidor do Estado do Paraná na cidade de Cascavel. “Ironia do destino eu nunca fui um simpatizante do MST, mas também nunca fui um crítico, pois eu não conhecia o movimento. Eu era funcionário da Codapar [Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná] e, em 2003, fui cedido para Seab [Secretaria de Estado da Agricultura] para atuar no setor de vacinação de gados”. Foi neste momento que Imoacir conheceu acampamentos em Cascavel, Santa Tereza do Oeste e Lindoeste, no Oeste do Estado.

Já afastado do serviço público devido a quatro cirurgias na coluna, em 2010 Imoacir resolve aceitar o convite de um amigo que morava no acampamento 7 de Setembro, em Cascavel, local onde morou até 2016 com o filho Moacir Rafael, de 15 anos.  Após dois meses morando na área ocupada, ele participou de sua primeira atividade como cozinheiro: em 8 de março de 2010 na Jornada das Mulheres Camponesas em Curitiba. “A Geni e Íris [lideranças do assentamento Valmir Mota] falaram que um passarinho verde tinha falado para elas que eu sabia cozinhar e desde então faço esse trabalho com muito amor e carinho”.

O cozinheiro se emociona ao lembrar da aproximação com o Movimento Sem Terra. “Quando vi aquela comunidade unida, aquela troca de experiência eu logo vi que aquele era o meu lugar. Esse conceito de comunidade fraterna e de caridade me cativou. A partilha me atraiu”, comenta. Indagado sobre o segredo da comida que atrai tantos militantes na Jornada de Agroecologia, Imoacir responde: “O tempero da minha comida é muito amor com a pitada de companheirismo do MST que dá um toque especial”.

Pular para a barra de ferramentas